“Um pequeno favor”: “Biografia de X. Zubiri”.

Bete de Abreu, que iniciou como gerente, sempre nos acompanhou como “madrinha” da publicação da Inteligência senciente de Zubiri, junto com Natureza, História, Deus e Cinco lições de filosofia e assim nos guiou e “mimou”, com sua pessoa e competência ímpar. Guardo, até hoje, a quantidade e-mails deste pingue-pongue comercial, mas profundamente inteligente, competente e amigo.

Na ocasião, foi gerente e mediadora do editor Edson Filho, que além da tarefa normal e minuciosa da publicação de qualquer autor, sentiu que se deparava com um filósofo diferente, de qual não tinha obrigação de ser epecialista. É verdade que cada pensador de qualquer área se expressa de forma da própria, embora diferente do que se falou antes, todavia fala desde sua situação histórica.  Em Zubiri sentiram uma espécie de transgressão após estudar os fubdanebtis e a elaboração de quse toda a filosofia. Seu estilo e sua linguagem precisavam ser mais cuidados para intertrepar o que realmente Zubiri quis falar e como falar. Dentro da É realizações ela se encontrou, no ano de 12010, com Felipe Cherubin. “Um bom menino”, falava frequentemente dele. Tinham uma cumplicidade de trabalho e de amizade.

A Editora devia ter um cuidado diferente, porque sentia que essa tradução e publicação deviam ficar na história da presença de Zubiri no Brasil. Tinha sido um filósofo do século XX, pouco entendido e divulgado, pela forma especial de pensar. E pela sua inspiração de que a realidade é antes do ser. Essa tradução e publicação tinha que ser “clássica”, não somente pela sua proposta, mas repeitada e consultada com confianza. A tradução acurada de Carlos Nougué oferecia firmeza linguística e filosófica nessa empreitada. E os estudiosos brasileiros poderiam se reportar a ela com segurança intelectual. Assim, quem cuidou dessa dinâmica empressairal e filosófica foi Bete. Que nos revelou em e-mail: “Também sempre me senti bem com vocês — foi um projeto que adorei fazer. Um dos mais bacanas. Eu não entendia muita coisa, mas consegui apreender um pouco da ideia de Zubiri, aprender sobre ele. Lembro que o Felipe ficava me explicando tudo, tentando dar exemplos concretos”. 

                Foram momenos incríveis, e até urgentes, como é normal nessa tarefa empressarial, de sintonia crescente, sempre respeitando o lugar decada dialogante. Por isso, o único que cabe de respeio a sua presença é chamar-la de nossa mardrinha.

Já no final desta empretida, estontoante para mim, saiu da editora, continuando a tarefa de todos crescendo e ganhando a vida. Vários anos depois em 2013 recebi um é-mail carinhoso,  no meio dos que siguíamos comungando nossas vidas, pedindo “um pequeno favor”. Fiquei surpresso e ao ler e ver aquela Bete competente e amiga.

“Professor, querido, como estão as coisas? Espero que esteja tudo bem, que esteja com saúde e feliz. Novidades lá da editora? Como andam os livros de Zubiri? Estão saindo? Estou escrevendo para pedir um pequeno favor, mas se não puder eu entendo perfeitamente pois sei que é ocupado.

Eu precisava de uma pequena biografia do Zubri e pensei que se o senhor não poderia escrevê-la.

É para a enciclopédia digital da Barsa Planeta. Eu estou fazendo autualizações para eles e vi que não tem o verbete do Zubiri lá, então queria colocá-lo, devido à importância.

Pedi também para o Felipe me ajudar com a minibibliografia do Bernard Lonergan.

Podeira ser um apanhado geral. Não pode ser um texto longo também. Seria um texto para mostrar em linhas gerais quem foi Zubiri e a importância dele e de suas obras. Um verbete de inciclopédia, sabe?

Seria possível? É por uma boa causa. Porque daí, teremos Zubiri na Eciclopédia Digital também. Obrigada. Abraços saudosos de Bete (15/03/2013).

Dias depois do pedido, em diálogo constante, nos esclareica algunas condições sobre o texto. Ela nós alertava, que não poderia colocar nenhum nome. Nem ela e nós sabiamos, que isso não era o nosso propósito. E ela nos motiava: “Mas eu sei que isso não será problema, pois o importante é divulgar o Zubiri. O que eu posso fazer também, depois, é falar para eles colocarem uma página especial na enciclopédia sobre o Zubiri e daí, poderemos pôr fotos, inclusive”.

A essa “querela repentinista” lhe respondei: ““Estamos felizes de mais esta oportunidade de divulgar Zubiri. Temos certeza que tua mão ajudou muito no tempo que tinhas a responsabilidade de intuir e fazer possível divulgar o melhor da cultura do século passado. O projeto Zubiri deve muito a você. Espero que continue. Estaremos,  prontos”.

Seguindo desafio respondeu: “Imagina, eu não fiz nada. O senhor é que é a parte fundamental de tudo isso. Eu não fiz nada. Nem entendo direito algumas coisas sobre o Zubiri, mas tenho um carinho especial por esse “moço”! 

Mas, ela seguiu cobrando seu pequeno favor: “Eu preciso desse verbete para o fim da semana, será que o senhor consegue me mandar?”. A minha resposta foi: “o que você pede não é nenhum pequeno e nem grande favor, é o nosso dever por aquela que tanto nos ouviu, nos entendeu e nos motivou, prezada Bete”.

Quando mandamos e remandamos, escrevemos: “Aqui está “teu pequeno favor” com carinho e motivação para que continues sendo gente e competente. Muito obrigado querida Bete”.

Ela então continuao puxando o diálogo: “Estamos felizes de mais esta oportunidade de divulgar Zubiri. Temos certeza que tua mão ajudou muito no tempo que tinhas a responsabilidade de intuir e fazer possível divulgar o melhor da cultura do século passado. O projeto Zubiri deve muito a você. Espero que continue. Estaremos  prontos”.

Aí Bete se sintiu no seu ímpeto de gente que quer fazer as coisas de sua responsabilizdade: “Só que o senhor sabe que eu sou da Terrinha, né? Minha família toda é da Ilha da Madeira. Então somos parceiros nessa “união ibérica”!  Grande abraço e fique bem. Bete”.

Assim, ela ofereceou esse trabalho para a Enciclopédia. Verbete Enciclopédia digital da Barsa Planeta.

Um pouco da história do “Pequeno favor” da Bete. Dessa forma todos colaboramos para a empreitada em dia da Enciclopédia digital da Barsa Planeta. Seguir buscando na publicação da Barsa digital o verbete sobre Xavier Zubiri. E, abraços amigos do “moço Zubiri” e dos “moços pequenos Felipe e José” para a “moça Bete”.

Verbete Enciclopédia digital da Barsa Planeta.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: